O MACHADO DE CRISTO

3712_Ocean-versus-Desert-greened-tree-versus-dry-treeOutro dia perguntei a um amigo se ele está frequentando certa denominação Evan-Jélica (não errei, é com J mesmo, de Jegue).
 Ele respondeu alegremente: – Sim. É uma benção, o pastor é ‘isso e aquilo’, fogo puro, orando nos montes, campanhas, jejuando, Deus operando, milagres, respondendo orações e blá blá blá, pirirí-pororó…
– Escuta! Você quer aprender de verdade ou passar o resto da vida só no oba-oba? – Perguntei.
– Quero aprender. – Meu amigo responde esvaziando-se como uma bexiga.
– Vamos à minha casa, você vai começar com um livro que irei lhe dar. – E a conversa continuou… e melhorou.

Iniciei com esse pequeno diálogo para introduzir onde quero chegar: não adianta participar de reuniões se a pessoa não tem interesse em estudar a Palavra de Deus, assim como, se estiver frequentando um terreiro de babaçuê Evan-Jélico, um milhão de vezes é melhor não ir do que aprender a fazer encantamentos com algum xamã gospel em nome de Gijuis, são feiticeiros intelijumentos ensinando encantos, tele-guiando e encantoando os descantiados do pensamento. Muitas vezes, os tele-guiados descantiados do pensar até saíram da religião Evan-Jélica, mas o Evan-Jelicalismo não saiu deles.
No parágrafo anterior, não disse LER, mas sim ESTUDAR. Ler é para quem está sendo alfabetizado. A Bíblia não é um livro de leitura como se lê Chapeuzinho vermelho tentando se safar do Lobo mau (muitos vão a Bíblia com essa idéia e deixam de ir também), mas as Escrituras é o Livro do Soberano escrito ao homem miserável, por isso o mínimo que podemos fazer é estudá-lo e nele meditar, para somente a partir daí avançarmos na pratica do pouco que aprendemos sobre ELE (e nós). Isso exclui, evidentemente, os analfabetos e quem por algum motivo físico ou mental esteja impossibilitado.

Certo dia estava vendo uma colega na faculdade escrevendo numa lentidão incrível, igual a quando escrevíamos em cartilha, não conseguindo coordenar o raciocínio, escrevendo “mim empresta uma borracha”, “agente somos top”, “eu sou menas falante”, etc. Mas, certo dia, chorando muito veio pedir-me ajuda: “quero aprender, mas não estou dando conta.” Passei-lhe um livro para transcrever para o Word. Resultado após alguns meses e anos: por uma série de motivos melhorou e está alegre, principalmente pela disposição e talento de alguns professores em ensinar, mas tem algo que poucos têm: estuda mais que todos da sala. Por outro lado, conheci um rapaz mais novo que eu, que sabe mais teologia que um dia eu possa vir a conhecer. Perguntei-lhe: “cara, você trabalha o dia inteiro, faz faculdade a noite, que horas você estuda?” Sua resposta: “de madrugada e finais de semana”.
O problema é que 75% da população brasileira é ou analfabeta ou analfabeta funcional, esse último, compreende quem sabe ler e escrever, mas não consegue interpretar textos simples ou fazer uma operação matemática básica, ou seja, apenas 1 em cada 4 entende o que lê. Os analfabetos funcionais estão nas universidades também, isso é uma vergonha total!
E quando partimos para a religião Evan-Jélica, o problema vêm a galope, os analfabetos funcionais estão nos púlpitos e, para piorar, muitos de seus “pastores” e “líderes” ensinam exaltando a anti-inteligência, anti-racionalidade, anti-cristianismo autêntico, estimulando a jumentalidade. Claro que há exceções, mas entenda como exceção e não como regra. É muito fácil identificar uma pessoa que não valoriza o conhecimento, mesmo que seu discurso não admita: nunca os iremos ver indicando um livro, falando de um filme que estimule a cultura, falando de uma letra de música que ele(a) ache inteligente, chamando atenção para alguma filosofia interessante, falando das Sagradas Letras com brilho nos olhos e, quando o assunto parte para esse lado, não tem interesse em prestar atenção, fazer perguntas e aprender.

Quando comecei cursar Letras, senti muita dificuldade com as palavras, termos e conceitos próprios do universo das Letras, até abordar uma de minhas professoras e pedir-lhe ajuda, pois, não estava acompanhando seu raciocínio. Você acha que ela abaixou o nível das aulas para que eu a entendesse? Não. Simplesmente se dispôs a ajudar e disse que isso é natural, com o tempo e dedicação nos estudos, o problema seria resolvido, mas teria que ESTUDAR. Dois anos depois, amadureci um bocado, é muito gratificante, terminar um livro de Fernando Pessoa, Carlos Drummond de Andrade, Machado de Assis, Dostoievski, sentindo prazer na leitura e, ao final, ter a sensação: entendi um pouco de suas cabeças brilhantes, expandi um pouquinho minha mente! O mesmo processo se dá na Teologia.

Não me interpretem mal, há pessoas que estudam muitíssimo mais que este Zé Ruela que vos escreve, e eles não são melhores que eu, nem quem não estuda é pior que nós, todos são dignos de respeito e admiração, do mais simples ao mais erudito, do mais ignorante ao mais culto. Independente que quem sejamos, desde que estejamos em Cristo, nossa virtude está n’Ele e somente n’Ele.
O argumento que mais ouço quando entro nesse assunto é: “conheço um fulano que conhece a Bíblia como ninguém, mas é mau caráter, malandro, etc.” Primeiro que isso covardia e desonestidade intelectual em não considerar outras variáveis. Segundo, isso é resultado de uma lavagem cerebral trabalhando em função dos poderosos, pois, o dia que o povo tomar conhecimento das coisas, o império religioso começa ruir naturalmente. Terceiro, quantas pessoas em sua comunidade cristã que são tão ruins como o exemplo acima e mal sabem discernir se Filemon está no AT ou NT, ou se Tito é um livro da Bíblia ou um tiozinho que mora na vila? Não é o conhecimento que corrompe o homem, mas seu coração (Jr 17.9), e coração, todos têm, o que vamos fazer dele, e para quem o iremos guardar não está relacionado ao saber que adquirimos, pois, este é neutro em si mesmo.
Em Oseías está escrito: “O meu povo foi destruído, porque lhe faltou o conhecimento; porque tu rejeitaste o conhecimento, também eu te rejeitarei, para que não sejas sacerdote diante de mim; e, visto que te esqueceste da lei do teu Deus, também eu me esquecerei de teus filhos.” Não que eu esteja com a pá virada, mas o dia em que o Soberano vai virar a pá está chegando, o machado de Cristo está posto a raiz das árvores (Mt 3.10-12).
A questão é apenas uma: vamos parar no tempo, deitarmo-nos na cama ou sofá, assistindo novela, BBB, zapeando no zap zap, navegando no face, publicando fotos no instagram, participando de cultos antropocêntricos evan-Jélicos duas vezes por semana ‘com a boca escancarada cheia de dentes esperando a morte chegar’, ou vamos usar nosso cérebro para a glória de Deus?

© Lucianno Di Mendonça
www.plurais.net

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s