MAMÃES NÃO DEVERIAM MORRER

encontro_da_princesa_diana_e_madre_teresa

Queridas mamães,

Se existem seres humanos que não deveriam morrer são vocês. Outro dia sepultamos a mãe de um grande amigo. Eu e o Leonardo ficamos até as 4:00h acompanhando o Uendel em sua dor e velório de sua mãe Cleonice. Foi uma madrugada com a morte ao lado que certamente nos acompanhará por até o fim de nossos dias.

A meia-verdade é que a morte me espanta. O rei Salomão disse: “É melhor ir a uma casa onde há luto do que a uma casa em festa, pois a morte é o destino de todos, os vivos devem levar isso a sério!” Enquanto levávamos a sério o dia da morte, tentávamos consolar nosso companheiro, relembrando alguns acontecimentos dos tempos de escola, quando vimos o Aloísio enchendo os olhos d´água…

…de tanto rir… discretamente.

Meu irmão Christiano, Aloísio, Leonardo, Uendel e eu tivemos que nos retirar do salão fúnebre. Direcionamo-nos a um canto inóspito do prédio. Uendel foi junto. Respeitamos profundamente e sentimos a dor do luto dos familiares, não se trata de irreverência, pelo contrário, estar entre amigos num momento como esse, relembrar tempos e rever histórias é uma singela maneira de eternizar quem não queremos sepultar.

Cazuza disse: “só as mães são felizes”.

Se um dia Deus apagasse todas as memórias da humanidade sobre como viemos ao mundo, e abrisse um concurso para premiar a maneira mais inventiva que alguém pode planejar sobre como somos concebidos e nascemos, certamente, as mentes mais brilhantes jamais poderiam imaginar algo mais criativo do que carregar outro ser dentro de si, gerá-lo, e finalmente experienciar o ato de dar a luz. Ninguém nunca perguntou aos recém-iluminados, mas choramos ao nascer porque nos separam de nossa genitora… para sempre. No nascimento somos separados de nossa mãezinha, em sua morte separam-nas de nós.

Só as mães dão a luz.

Como uma pessoa que dá a luz pode ser apagada da vida? Agora entendo quando muitos filhos perdem o brilho nos olhos ao verem suas mães falecendo. Mas nos resta uma imortalidade e uma esperança. Para falar sobre a imortalidade, com vocês o grande educador Rubem Alves: “Ensinar é um exercício de imortalidade. De alguma forma continuamos a viver naqueles cujos olhos aprenderam a ver o mundo pela magia da nossa palavra. O professor assim não morre jamais.” As mães são nossas primeiras e muitas vezes, únicas professoras.

Tenho inúmeras lembranças, mas refiro-me especialmente a Vilma que foi secretária na casa de meus pais por mais de 30 anos, certa vez quando ela deixou de trabalhar conosco por um tempo, todos os dias acordava cedo e ia para a esquina e se escondia, somente para me ver passar a caminho da escola, e ali, por detrás de uma árvore, chorava de saudades… aquele “pingo de gente” cabisbaixo, chutando pedras, limpando remelas, com uma pasta pesada nas costas, mal sabia que havia um anjo acompanhando cada passo seu, talvez jamais alguém me ensine amor, sacrifício, humildade e abnegação tanto quanto ela. A Luciana, minha esposa, que foi a primeira pessoa que leu a Bíblia para mim, não posso imaginar quem seria hoje sem aquelas leituras eternas em bancos de praça. A Ana Lúcia que quando não tive ninguém para me ouvir e cuidar de minhas feridas profundas estendeu a mão e tirou-me do buraco.

Acho muito curioso não ter o Dia do filho, pois, seria uma dor insuportável a muitas mães que perderam seus filhos, multiplicar e externar o sofrimento que ela passa todos os dias ao não poder no Dia do filho olhar seu garoto amarrando o cadarço do tênis; não mais ver sua filha chegando em casa; não ouvir seu filho dizendo que a comida está uma delícia; não ter a alegria de pensar que ela está nalgum lugar se divertindo com amigos. Da mesma forma, o Dia do filho não faria o mínimo sentido às mães que dão tudo de si todos os dias aos seus descendentes, que muitas vezes, não reconhecem.

Deveria haver um exame, um tipo de ressonância magnética cerebral para descobrir quanto de cada mãe há em nossa fala, gestos, atitudes e pensamentos. Mas Rubem Alves tem razão, os que morreram imortalizaram-se em nós, ainda que em pequenas partículas de vida. “Mas Lucianno, Dia das Mães, festa, churras, macarronada, música, reunião de família, menino correndo e gritando, vovô segurando a peruca, e você falando de morte?! Não daria para falar noutro assunto?”

– Não.

Não porque a mãe do meu pai já se foi. A mãe da minha mãe também e nem em seu velório pude estar. A mãe do Uendel expirou a alguns dias. A mãe de meus primos José Manuel, Arthur e Maria Raquel, quando falei com ela da última vez estava por entrar na ambulância indo falecer no hospital. A mãe da minha prima Fernanda morreu. A mãe da Bianca faleceu. A mãe da Cárita também. A mãe da Beatriz e do Alexandre da mesma forma. A mãe da Eni experimentou o passamento a 40 anos e até hoje o dia das mães é um dia difícil para ela, e sempre será. A mãe da Camila. Despedi-me da dona Ana numa cama de hospital combinando de um dia reencontrarmo-nos. A mãe do Bolinha e a mãe do Erick faleceram. A mãe de Jesus também.

Falando da esperança que nos resta, com a palavra Agostinho: “Maria tornou-se mais feliz recebendo a fé de Cristo do que concebendo a carne de Cristo.” Não sou eu que estou dizendo, mas o Santo Agostinho, precisa de alguma referência? Algumas frases não são tão interessantes em si, mas da boca de quem saiu, torna-se uma bomba.

Queridas mães, a morte me espanta, mas a vida incriada e sem fim muito mais. Todos os assombros do mundo não seriam suficientes para mover um milímetro do véu que paira sobre os olhos de muitos que ainda não enxergaram a Vida. Assim como Maria, mais felizes seremos recebendo a fé de Cristo: o Deus sobre tudo, o Deus que transcende o nada quando somente nada existia, SENHOR da morte para sempre. Depois que tudo se acaba, todos morrem no final do filme, não há a quem recorrer, essa é a esperança que nos resta.

Eu te amo minha maravilhosa mãe Amália; tenho muito orgulho de você e admiração por quem és; entre as mães que meus amigos tem, certamente você está entre as mais especiais; gosto quando contas histórias sobre mim que só você sabe. Obrigado por dar a vida por mim quantas vezes for necessário. Obrigado mulheres e mães imortais da minha vida. Vasculho, mas não encontro palavras para dizer o quanto sou grato. Estou aprendendo a ver o mundo pela magia de vossas palavras.

Aos meus amigos(as) que suas mães se foram de vós, entristeço convosco; por outro lado, alegrem-se comigo de alguma forma, os olhares de suas mães estão em vocês agora correndo por essas linhas.

Assinam-me:
Amália (minha mãe), Vilma (mãe do Nenezinho), Vânia (mãe da Beatriz), Ana, tia Geralda (mãe do Múcio), tia Vilma (mãe da Andrea), tias Marilu, Maura, Nedy, Desire e Terezinha, Luciana, Profª Silvia, Profª Jucelém, Darci (mãe do Georton), Ana Lúcia (mãe do Leonardo) Francisca (mãe da Fernanda), Vânia (mãe do Diego), Ivone (mãe da Giovana e do Breno), Ana Lúcia, Dona Peixota, vovó Geralda, vovó Gumercinda, Maria (mãe de Jesus). E tantas outras Marias.

 © Lucianno Di Mendonça
www.plurais.net

Anúncios

5 respostas em “MAMÃES NÃO DEVERIAM MORRER

  1. Sou a Ana irmã mais “nova” do Marcelo. Uma vez, quando eu era criança, perguntei ao papai o que eram as lágrimas. Ele me respondeu que podíamos interpretar de acordo com o que sentíamos. Se estivéssemos felizes, eram uma explosão de alegria que não cabia no peito. Se estivéssemos tristes, eram as nossas dores que estavam sendo lavadas. E agora? O que dizer das minhas lágrimas? Penso que são de agradecimento, de alento. Não sei. Pena que vc não pode me ver agora. Porque tudo que queria era estar frente a frente, para que vc me visse aplaudi-lo de pé! Sem palavras! Deus te abençoe hoje e sempre!

    • Oi Ana! Muito prazer falar contigo, já a conheci por foto, bem como sua família. Agora entendo de onde vem a sensibilidade do Marcelo, é de família. Belíssima a definição de lágrimas dada por seu pai e absorvida por vc. Quantas vezes tentei enquadrar um conceito para essas minúsculas e cilíndricas expressões máximas de sentimentos, mas não consegui, das vezes que cheguei mais perto, pude apenas molhar folhas de papel em branco. Quando escrevi esse texto, tinha a impressão que estava faltando alguém, algum amigo por citar, alguma história por relembrar, certamente há outros, mas a história de vcs (que conheci depois) é singular, sua mãe é maravilhosa, irei levá-los sempre em minhas melhores recordações. E se há alguém aqui que merece aplausos, é sua família. É uma experiência interessante, todos estarmos diante da vida, aplaudindo uns aos outros, penso que deveríamos fazer isso mais vezes, seja sob a influência dos últimos raios do dia do pôr do sol na Pedra do Arpoador, ou sob a influência da força das lágrimas de um amigo(a) “distante” que ainda não trocamos um abraço e temos a sensação de o conhecer desde criança, quando experimentamos a primeira lágrima… Que Deus me dê em breve o privilégio de estar com essa Família Maravilhosa na Cidade Maravilhosa…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s