MEU EDITOR CHEFE

Imagem

image

Anúncios

METAFÍSICA DO PAPEL HIGIÊNICO

genial-artesanato-em-rolo-papel-higienico-1

Levo na mochila
Um rolo de papel higiênico
Não é porque tenho dor de barriga
É que sofro de noite mal dormida
E palavra mal parida
Guardo no peito um bilhete só de ida:
O pesar da partida
E na falta de caderno
Ausência de bateria
Carrego o rolo pergaminho
Para escrever enquanto caminho
Seja no papel rasgado
Amassado ou reciclado
Despejar difteria de poesia
Você que não sabia
Porque o papel higiênico
É picotado e fácil de ser rasgado
A partir de hoje não está enganado
Se o poeta está no campo
Escola, bar, trabalho
Ou trancado no quarto
Responde a quem dizia:
“Pra que serve poesia?”
Não é economia
Teoria de Tudo ou filosofia
É apenas a forma mais insignificante
Pra dizer ao velho, adulto ou infante
Como através da palavra
Subsiste, vai para trás e adiante.

Perscrustantemente,
Lucianno Di Mendonça ©
http://www.plurais.net
www.facebook.com.br/plurais.net

AS PALAVRAS

palavras

Há alguns anos, o Dr. Johnson O’Connor, do Laboratório de Engenharia Humana, de Boston, e do Instituto de Tecnologia, de Hoboken, Nova Jersey, submeteu a um teste de vocabulário cem alunos de um curso de formação de dirigentes de empresas industriais (industrial executives), os executivos. Cinco anos mais tarde, verificou que os dez por cento que haviam revelado maior conhecimento ocupavam cargos de direção, ao passo que dos vinte e cinco por cento mais “fracos” nenhum ocupariam igual posição.

Isso não prova, entretanto, que para vencer na vida, basta ter um bom vocabulário; outras qualidades se fazem, evidentemente necessárias. Mas parece não restar dúvida de que, dispondo de palavras suficientes e adequadas à expressão do pensamento de maneira clara, fiel e precisa, estamos em melhores condições de assimilar conceitos, de refletir, de escolher, de julgar do que outros cujo acervo léxico seja insuficiente ou medíocre para a tarefa vital da comunicação.

Pensamento e expressão são interdependentes, tanto é certo que as palavras são o revestimento das ideias e que, sem elas, é praticamente impossível pensar. Como pensar que “amanhã tenho uma aula às 8 horas”, se não prefiguro mentalmente essa atividade por meio dessas ou de outras palavras equivalentes? Não se pensa em vácuo. A própria clareza das ideias (se é que as temos sem palavras) será intimamente relacionada com a clareza e a precisão das expressão que as traduzem. As próprias impressões colhidas em contato com o mundo físico, através da experiência sensível, são tanto mais vivas quanto mais capazes de serem traduzidas em palavras – e sem impressões vivas não haverá expressão eficaz. É um círculo vicioso, sem dúvida: “… nossos hábitos linguísticos afetam e são igualmente afetados pelo nosso comportamento, pelos nosso hábitos físicos e mentais normais, tais como a observação, a percepção, os sentimentos, a emoção, a imaginação”. De forma que um vocabulário escasso e inadequado, incapaz de veicular impressões e concepções, mina o próprio desenvolvimento mental, tolhe a imaginação e o poder criador, limitando a capacidade de observar, compreender e até mesmo de sentir. “ Não se diz nenhuma novidade ao afirmar que as palavras, ao mesmo tempo que veiculam o pensamento, lhe condicionam a formação. Há século e meio Herder já proclamava que um povo não podia ter uma ideia sem que para ela possuísse uma palavra” testemunha Paulo Rónai (1965).

Portanto, quanto mais variado e ativo é o vocabulário disponível, tanto mais claro, tanto mais profundo e acurado é o processo mental da reflexão. Reciprocamente, quanto mais escasso e impreciso, tanto mais dependentes estamos do grunhido do grunhido, do grito ou do gesto, formas rudimentares de comunicação capazes de traduzir apenas expansões instintivas dos primitivos, dos infantes e… dos irracionais.

GARCIA, Othon Moacir. Comunicação em prosa moderna. Editora FGV. Rio de Janeiro, FGV, 1980.p. 155-6.