CAMPANHA DA MATRACA FECHADA

et

Campanha poderosíssima para desimpedir e ficar definitivamente livre “dos caminhos neopentecostais”, “quebrar maldições apostólicas”, “anular palavras proféticas”, fazer um “desenpastoramento total”, “apagar dardos inflamados dos levitas”, sair debaixo da “cobertura espiritual” de manipuladores, “desembaraçar nós cegos” nas mentes feitos por falsos profetas e, principalmente, encontrar o fio da meada do Evangelho puro e simples. Você não pode deixar de participar da novíssima campanha:

Não quer abrir O livro, Feche a Matraca!

Essa campanha não é pra qualquer um. Somente para os fortes na ignorância. Destemidos à Deus. Corajosos em rejeitar as Escrituras. Submissos a falsos profetas. Treme e dá enchurrio só de pensar em confrontar as palavras do “ungido” com as palavras do Cristo. “Espiritual” em amaldiçoar os que saíram do seu guetinho religiozinho. Fiel a tradicionalismo da sua “igreja”.

Você cristão, que não vai ler a Bíblia, bateu o pé, deu birra e disse ao Espírito Santo: “não adianta insistir, não leio, não leio, não leio!” Já que não vai às Escrituras meditar, não vai pesar os ensinamentos que recebe com as palavras do Cristo. Não vai pensar. Diz que crê na Bíblia, mas a palavra inicial, mediana e final em suas decisões é do seu papa gospel. Apenas para você, que quem determina a “visão” de sua “igreja” são os concílios evangélicos denominados “concentração de fé, conferências de poder, milagres, impacto, etc”. Entre o pouco que conhece dos livros sagrados e o muito que conhece das apostilas, jornais e livros de sua religião pagã gospel, vê que há inúmeras contradições grotescas e mesmo assim rejeita a Bíblia em servilismo a ordem do homem pecador e mentiroso. Participe da campanha poderosa: Não quer abrir O livro, Feche a Matraca!

O “propósito é muito forte”, fechando sua matraca vai parar de atrapalhar seus amigos e familiares se converterem ao verdadeiro e puro evangelho. Pare de dizer no futebol que “serve” a Deus. Não fale para as colegas na escola que é cristão. Não solte no trabalho nem de brincadeira que é cristão. Pare de mandar imagens em redes sociais com versículos dizendo: “tudo posso naquele que me fortalece”, “falei com Jesus hoje e você?”, “Sou filho do Rei”, “eu curto Jesus”, “o Brasil é do Senhor Jesus”, “Deus não escolhe os capacitados, mas capacita os escolhidos”, “Deus é fiel”. Arranque hoje o adesivo do carro que diz: “sou dizimista” e “presente do Papai”. Quando alguém chorando à sua frente sofrendo de dor, gemendo pela manifestação de algum filho de Deus, não diga que vai lhe apresentar seu super pastor para receber uma superoração. Se não tem condições de ajudar, feche a matraca!

A campanha será de quantos meses forem necessários, para que Deus abençoe a pessoa em ter um encontro com a Palavra de Deus. E não menos importante, não frequente cultos antropocêntricos nesse período (de preferência nunca mais), não participe de reuniões evangélicas individualistas, onde vê-se de tudo, menos o Evangelho puro e simples, onde se fala de tudo, menos do Cristo crucificado e ressurreto!

Bem amigos, gostaria de escrever algo mais lightdiet, gostoso, leve, talvez poético, mas certas coisas que ouço e vejo me dão azia e má digestão, em você não? (em breve, podemos fazer a CAMPANHA DO SAL DE FRUTAS ENO – CONTRA AZIA E HERESIA).

Se alguém se ofendeu com a proposta, provavelmente está no grupo de risco para fechar a matraca, mas, se alegrou e também acredita que a Bíblia continua sendo e sempre será a ABSOLUTA palavra de Deus e que foi reduzida a um mero acessório da última moda gospel com capas teen e comentários “paitriarcas” e apostólicos como produto mercadológico, mande o link da campanha para aquele amigo pinhel que grudou no seu pé igual chulé para te levar à “igreja dele” porque você é um “derrotado” e precisa aprender o caminho para se tornar um “vencedor”… como ele claro [sic].

Ah, como poderia esquecer? Uma campanha tem que ter versículos bíblicos para dar um ar de espiritualidade. A referência bíblica para nossa campanha de poder é: NENHUMA. Já que não vai ler mesmo. Pelo menos assim não fazemos de conta mais uma vez. E antes que alguém pergunte se estou participando da campanha, respondo: a fiz a alguns anos, fiquei um bom tempo calado. Depois que me tornei um “rebelde” ao sistema religioso neopentecostal e suas ramificações noutros lugares de sua (des)teologia (dis)torcida da prosperidade, a minha vida nunca mais foi a mesma. Hoje sou um rebelde e subversivo graças a Deus.

Fale da Campanha da Matraca Fechada a um amigo(a) que está sofrendo de lavagem cerebral e está dando sinais de despertamento (antes disso não adianta) e não sabe o que fazer da vida. Não “quebre a corrente” senão “perde” a benção.

© Lucianno Di Mendonça
www.plurais.net

Texto e comentários publicados originalmente em uvasroxas.com em 24/04/2012

Anúncios

SÓ NÃO SE SABE FÉ EM QUE

245-Os Paralamas Do Sucesso - Selvagem 1986

Os Paralamas do Sucesso em Alagados dizem:

A esperança não vem do mar
Nem das antenas de TV
A arte de viver da fé
Só não se sabe fé em quê

Quanto mais vejo fé nos religiosos, especialmente os declaradamente cristãos, mais gostaria de saber, fé em quê? Que arte desalmada e sem graça é essa de viver da fé que não se sabe fé em que? Só de alguém dizer que tem “muita fé” já é um claríssimo indicativo que essa pessoa não tem a mínima noção do que está dizendo.

Acha que estou exagerando? Faça algumas perguntas básicas, como por exemplo: no que você crê? Porque? Como? O que é fé? Como pode ter certeza do que crê? Qual a razão de sua fé? Quem é Deus? Como Ele se revela a você? Porque a Bíblia é a palavra de Deus? As Escrituras foram adulteradas para atender interesses políticos/religiosos? Como você sabe? Deus se revela somente através desse livro? Porque Ele não se revela noutras literaturas que requerem para si a mesma autoridade? Você ama e deseja conhecer esse livro que dizes ser inspirado por Deus ou nada se interessa por estudá-lo? Porque você sabe que Ele existe? Deus fala com você? Sério? Como? Não fala? Como não? Porque és cristão? Houve um dia em que entendeste algo sobre Jesus que fez total diferença na sua vida ou simplesmente é cristão porque é? O que Jesus quis dizer sobre novo nascimento? Você nasceu de novo? Será? Quem é Jesus? Porque os ateus estão errados e você está certo? Será que não estás enganado em tudo que crê? Nunca sentistes vergonha em abrir a boca para falar de alguém que não conhece? Já sentiu-se aliviado(a) em reconhecer que precisa retirar a máscara, descer do salto do orgulho na festa das vaidades, despir-se da fantasia, se ajoelhar solitário no jardim da humildade à margem das águas serenas da vida e implorar o favor divino?

Diga que as respostas devem ser racionais e objetivas, e não responder todas as vezes que “o pastor Zezinho profeta não sei das quantas disse…” ou “o padre fulano de tal falou…” Alguém pode achar que é covardia e desnecessário sabatinar uma pessoa simplesmente porque disse que tem muita fé, mas, “tenha fé” no que estou dizendo: com duas ou três dessas perguntas o inquiridor desarticula totalmente o “fervoroso”, fazendo-o complicar totalmente o meio de campo. E se ele perder a fé por causa disso é porque nunca a possuiu. Será uma benção de Deus, ele descobrir que nunca teve nada do que sempre disse ter muito. Normalmente, os que tem “muita fé” são aqueles que colocam adesivo no carro: “sou feliz por ser católico”, “amo minha igreja evangélica”, “resultado de malaquias 3:10”, “sou fiel dizimista”, “presente de Deus”, etc.

Um parêntese: (se fizeres algumas das mesmas perguntas, porém invertidas, aos que não creem, a maioria vai embolar o meio campo também). Resumindo: o ser humano é mestre em criticar ou questionar os outros sem averiguar seus próprios fundamentos.

Duvide da sua fé, desacredite de suas certezas, se deixe balançar em seus conceitos! Está com medo de que? Tema a ignorância, essa sim pode acabar com sua vida enquanto estás rindo, tranquilo e dizendo que crê. Para nós que declaramos a crença em Deus, sendo tão maravilhoso, majestoso, infinito, justíssimo, Santíssimo, você não acha que esse assunto é extremamente importante para simplesmente dizermos como Chicó: “não sei, só sei que foi assim”? Como pode um crente em Deus se contentar com respostas superficiais para perguntas que não foram feitas? E se foram, não te preocupas em responder? Como pode um cristão que foi chamado para a renovação de sua mente aceitar pressupostos religiosos sem questionar nada?

Dizem que a Semana Santa se comemora a paixão, morte e ressurreição de Jesus, é verdade, mas e daí? Teatralizar a paixão de Cristo e chorar é suficiente? Ver o quanto o Crucificado sofreu e se compadecer dele. É isso? Sacrificar a si mesmo para subconsciente e religiosamente dizer que seu sacrifício é mais eficaz que o de Cristo ou pelo menos sacrificar-me um pouco para completar o sacrifício de Jesus que fora imcompleto? Mesmo? Tem certeza que o Autor e consumador da fé está feliz com isso? O sacrifício de Cristo não foi suficiente? Se foi, quando você se sacrifica, o que pede a Deus? Acha que tem algum direito porque “fez” algo para o Eterno? Onde Ele requereu alguma coisa de você? Se Deus acha que você poderia fazer algo bom para si mesmo porque enviou Jesus e porque Ele sofreu tanto?

Herbert Vianna, Bi Ribeiro e João Barone não estão falando especificamente sobre religiosidade, mas de injustiça social. Trenchtown, favela na Jamaica, favela da Maré no Rio de janeiro, e Alagados, favela em Salvador, na lista da revista Roling Stone ficou em 63º lugar entre as 100 maiores músicas brasileiras. Apesar de tudo isso, seus autores não imaginam o quanto sua letra é mais bíblica que muito do que se canta nas igrejas contemporâneas. É um clássico que atravessa décadas, porém, nunca estivemos tão alagados como agora. Quanto as antenas de TV, veja o que George Onwell, escritor que criou a expressão Big Brother disse: “a massa mantém a marca, a marca mantém a mídia, e a mídia controla a massa”. E em se tratando de massa, marcas e mídias religiosas a coisa se complica ainda mais.

Hoje minha esposa estava assistindo à um pregador televisivo, que juntamente com alguns outros desse time de falsos profetas, suas mensagens abarcam o lixo dos lixos do evangeliquês no país do samba, carnaval, futebol, corrupção e por último e não menos numeroso, o país da religião. Pois bem, fiquei observando o excelentíssimo pregador. A cada argumento encerrado com uma frase de efeito arquitetada para aplausos e arrepios, a galera ia ao delírio. É até engraçado sua sútil paradinha para a ovação dos fiéis que não sabem fiéis em que. Em homenagem a essas pessoas que tem um paupérrimo entendimento do evangelho fiz um poema com rimas paupérrimas:

Crentes, mas não sabem crentes em que
Filhos, mas não sabem filhos de quem
Salvos, mas não sabem salvos de que
Obedientes, mas não sabem obedientes a quem

Justamente na semana da páscoa, o evento mais importante do cristianismo, sabe quantas vezes ele se referiu a mensagem da cruz? Nenhuma. A essência de sua conferência (pregação é coisa do passado), como sempre, é vitória, vitória, vitória, quem está no centro é o homem e não Deus, o bem-estar humano, sua prosperidade, tudo para mim, o que posso faturar, o que irei ganhar ao cumprir uma cartilha gospel, tudo eu eu eu, me dá me dá me dá, e ainda se não bastasse a distorção, para que eu receba, tenho que pagar: dinheiro, ou melhor, sementes e ofertas, juntamente com jejuns, frequência na igreja, “obediência” a líderes “ungidos”, a lista é extensa. E o que isso tudo tem haver com o evangelho puro e simples de Cristo? NADA.

(A maravilhosa arte de viver de muita fé, só não se sabe muita fé em que).

Em seguida, disse a minha esposa que iria lhe mostrar um palestrante que não é religioso, mas fala a mesma coisa que esse pastor: entrei na internet e pus um vídeo de um estelionatário do Marketing Multinível, a ênfase de seu discurso era exatamente a mesma do “ilustre” pastor: prosperidade, riquezas, bênçãos, mas para receber tem que ter “muita fé” e trabalho [sic!]. Para isto recitava versos da Bíblia totalmente fora de contexto para um público não menos extasiado.

Com raras exceções, não dá mais para saber a diferença entre um evento de motivação para ficar rico rápido e um culto evangélico, uma coisa sei: ambos deixam seu adorador pinel. Ah, há uma diferença: o segundo deixa o fiel que não sabe fiel em que, zoroca em nome de Gizuis. Pior é chamar isso de “relacionamento com Deus”. A que ponto chegamos minha gente. É cada uma que vejo que certamente até o diabo duvida. Então cheguei a conclusão:

“Um palestrante motivacional que de vez em quando usa versículos bíblicos para fundamentar seu distorcido entendimento sobre a graça de Deus é mais coerente que um pregador/adepto da teologia da prosperidade que de vez em quando usa versículos bíblicos para falar de Cristo”.

Alagados da fé.
Tempos difíceis.

© Lucianno Di Mendonça
www.plurais.net

Texto e comentários publicados originalmente em uvasroxas.com em 31/03/2013